terça-feira, 3 de julho de 2007

Vale a pena ser maçon?

Estou ligado à Maçonaria há cerca de três anos. Será pois oportuno perguntar a mim mesmo se, nos dias que correm, vale a pena ser maçon.
Não sou sociólogo, pelo que a análise que faço do mundo que me rodeia é a de um leigo na matéria. No entanto, a sensação que tenho é de que a nossa sociedade está a atravessar uma fase em que impera o egoísmo e o vazio das ideias. E não me refiro apenas ao nosso país, mas à generalidade das nações. Proliferam as guerras, os atentados com bombistas suicidas e os fundamentalismos. Verifico com horror que a pedofilia é um monstro muito maior e mais poderoso do que alguma vez imaginei.
Fala-se muito em globalização, mas torna-se cada vez mais evidente que esta não inclui valores éticos ou de diálogo amigável entre os povos. Pelo contrário, é de puro materialismo em que o que conta é apenas o lucro. Valores como a solidariedade ou as preocupações sociais nada valem para as multinacionais que são quem mais fomenta essa globalização. “Deslocaliza-se” para onde a mão-de-obra seja mais barata e despedem-se milhares de trabalhadores com a maior das naturalidades.
No que se refere à religião, talvez eu andasse distraído, mas parece-me que nunca houve tantas seitas e religiões “alternativas”, como nos nossos dias. As pessoas buscam respostas para uma faceta muito importante das suas vidas: a espiritualidade. E há sempre quem esteja pronto para se servir dessa carência para apresentar as suas “verdades”. Pelo menos nalguns casos, tais seitas geram receitas milionárias e tornam-se elas mesmas multinacionais. Vendem milagres, prometem o céu, mas não esquecem o seu verdadeiro objectivo: o dinheiro.
Não me lembro de alguma vez haver como hoje tantos astrólogos, numerólogos, videntes, e afins. Claro que nem com todos os seus “conhecimentos” juntos conseguem descobrir uma qualquer criança raptada. Mesmo assim, os seus negócios prosperam.
Por outro lado também acho que nunca houve tantas revistas dedicadas a temas a que chamamos “cor-de-rosa”. Até as rádios, mas em especial as televisões não fogem à moda, pelo contrário, aproveitam-na.
Nos órgãos de informação, o espaço dedicado à cultura, ao estudo ou à divulgação das ciências e das artes é cada vez menor.
Perante este quadro, sinto ser absolutamente necessária uma força que, de uma forma empenhada e a nível mundial, promova a paz e a liberdade, a tolerância e a justiça social, assim como a cultura e o combate à ignorância.
Durante a minha caminhada desde o grau de Aprendiz, fui formando a minha própria ideia do que é Maçonaria. No meu entender, ela é uma extraordinária instituição iniciática, onde cada um de nós sente cada vez mais como indispensável o seu aperfeiçoamento pessoal nas suas diversas vertentes: moral, intelectual, social e familiar. Mas a Maçonaria não poderia ser apenas uma escola de aperfeiçoamento dos seus membros, pois é também uma instituição filantrópica, onde a prática desinteressada da beneficência deverá ser uma constante.
Por outro lado, compreendi que a filosofia que lhe está subjacente proclama com clareza a prevalência do espírito sobre a matéria, pugna pelos mais altos valores da humanidade, enaltece o trabalho, recusa qualquer tipo de intolerância política, religiosa, sexual ou racial, considera a liberdade de pensamento e de expressão como direitos fundamentais do ser humano, assim como estimula o estudo e a educação para eliminar a ignorância e a superstição.
Ou seja, uma vez que entendo a Maçonaria como uma instituição defensora da paz, da justiça, da tolerância e do bem-estar para todos os seres humanos, estou profundamente convencido de que ela pode ser a força que a humanidade necessita para enveredar pelo rumo que a conduza à paz em liberdade, que afinal as pessoas de boa vontade do mundo inteiro tanto desejam.

Poderão dizer que a Maçonaria é apenas um sonho, talvez mesmo uma utopia, mas vale a pena lutar por ela, pois quem não sonha não vive…
Ser maçon implica um esforço permanente e até alguns sacrifícios tanto materiais como dos escassos tempos livres. Mas depois de ter aprendido o que é de facto ser maçon, a minha resposta à pergunta inicial só pode ser uma: sim, vale a pena.

Autor: Carl Sagan

4 comentários:

José Ruah disse...

Por estas razoes e por outras concordo que de facto vale a pena ser Maçon e pertencer à Maçonaria. Ja tenho quase 16 anos de Maçonaria e continuo a aprender como conviver com este mundo em que vivemos actualmente por forma a tentar fazer alguma difereça.

O Profano disse...

Para profanos como eu, esta prancha é bastante elucidativa de como deve actuar e ser, a Arte Real.


abr...prof...

Anónimo disse...

Pela boca a palavra
E o mundo gerado
Na comunicação…
Silencio só o eu e o medo
Fico segura,
Conheço-me e reconheço-me
Vivo à vontade comigo.
Sob o signo do Segredo
Instruo-me em equidade
Mas ficam os olhos toldados
Pela opacidade hierárquica
Do melhor pelo melhor
Sem conhecimento do mais
Nesse outro melhor de melhor…
Não estou completa ainda!
Preciso apaziguar-me
Silenciar a paixão
Dominar o desejo
Não, não me apaixonar…
Não, não desejar…
Preciso não ser escrava
Do possuir, do almejar.
Assim que me elevo
Sinto a corda
Um aperto na garganta
Penso, sensatez
O poder da palavra
Signo de ideia
Veículo de discurso…
Por trás do símbolo integro
Expressão criativa, arte,
Paz,
Sabedoria, lealdade, honestidade
Gentileza, afabilidade,
Confiança,
Verdade…
Conhecimento e sensatez
Casamento perfeito
Perfilhador de humildade
Gerador de liberdade
Pairo…
O laço tornou-se frouxo
Respiro…
E no enlevo,
O fraco face ao infinito,
Vejo o detalhe
Demando a Obra,
Ganho força e empreendo
No Dever de ser Livre,
Caio… Não triunfando,
Persevero
Ser livre é imperativo,
Uma necessidade,
Uma fatalidade,
Um destino,
Daquele que almeja
Revelar-se.


Bem Hajam

Anónimo disse...

Gostei do seu post e de seu blog responde a muitas duvidas minhas pq certas vezes vejo gente falar que a maçonaria meche com o demonio e outras coisas é que um grupo diabolico onde os integrantes vendem a alma para virarem magnatas do dinheiro mas em um dia siquer pesquisando vi que nd se encaixa e que a maçonaria não é nd do que falam posso estar errado mas no futuro como ainda sou adolescente queria fazer parte desta seita para poder ter mais um vasto conhecimento sobre o mundo que vivo todos os dias vejo o que resulta o poder do dinheiro no mundo fazendo pessoas se excluirem da comunidade e viverem precariamente e isso doi pronfundamente na minha alma e para isso quero ou queria ser maçom para ter um vasto conhecimento sobre o mundo que vivo e não ter apenas um conhecimento superficial mas como ja vi tenho que ser convidado por um mestre maçonico e ser aceito pelos outros então não sei se terei oportunidade em engressar nesta seita.